Portal Open
Doutor W
 
  » Revista > Perfil    
 
 
Curso profissionalizante na área odontológica é porta de entrada para o mercado de trabalho

 

O dentista precisa ampliar sua visão no que diz respeito à utilização de profissionais auxiliares capacitados para as atividades, a fim de proporcionar ao paciente um atendimento de qualidade

O objetivo primordial de um curso técnico é acelerar a entrada do jovem no mercado de trabalho, sobretudo no setor produtivo. De olho nessa demanda, o número de escolas técnicas se multiplica no Brasil. Em 2003, eram 2,7 mil. Em 2006, o censo escolar apontava a existência de 3,3 mil escolas. O Ministério da Educação estima que esse número já esteja na casa dos 3,5 mil atualmente.


Auxiliares qualificados

"Faz parte da cultura da classe média brasileira o estudante fazer o ensino médio tradicional e se tornar bacharel, o que provoca a falta de técnicos qualificados no mercado de trabalho e um aumento no número de desempregados com nível superior. Segundo dados do Ministério da Educação, apenas 10% das matrículas do ensino médio são em nível técnico no Brasil. Para se ter uma ideia, países mais desenvolvidos, como a Coréia do Sul, têm índices entre 40% e 50%”, afirma professora Angela Maria Aly Cecílio, coordenadora dos Cursos de Auxiliar e Técnico em Saúde Bucal do CETAO. Os dados do Censo Escolar de 2007 comprovam a afirmação da coordenadora dos Cursos Técnicos do CETAO: dos 8,2 milhões de alunos do ensino médio, apenas 670 mil estavam no ensino técnico – o que corresponde a 8% das matrículas.

Diferentemente dos cursos do nível superior, um curso técnico só é criado para suprir a demanda de mão-de-obra de uma região. Segundo informações do Ministério da Educação, o alto crescimento das vagas nos cursos técnicos de saúde - 35,3% de 2003 a 2005 - ilustra esse processo. Área que mais cresceu em todo o país, a Saúde é hoje a de maior peso no total das matrículas dos técnicos, com 31,5%. “O mercado de trabalho odontológico vem sendo marcado por profundas mudanças de cunho sócio-econômico, político e cultural, principalmente no que diz respeito à busca e à valorização dos serviços odontológicos pelo paciente. Desta forma, é preciso abrir a visão do cirurgião-dentista no que diz respeito à utilização de pessoal auxiliar capacitado para as atividades, a fim de proporcionar ao paciente um atendimento de qualidade. Com a regulamentação da profissão de técnico em saúde bucal, a figura do ‘aprendiz da profissão’ vai ficando no passado”, defende Angela Cecilio, que também é especialista em Cirurgia Buco-Maxilo-Facial , Mestre em Ciências , Consultora de Biossegurança e Treinamento de Pessoal Auxiliar.

Como o CETAO forma seus técnicos

As carreiras de Técnico em Saúde Bucal (TSB) e de Auxiliar em Saúde Bucal (ASB) são ocupações da área da Saúde cuja formação está regulamentada nacionalmente pela Lei Nº 11.889, de 24 de dezembro de 2008. O Técnico em Saúde Bucal e o Auxiliar em Saúde Bucal estão obrigados a se registrar no Conselho Federal de Odontologia e a se inscrever no Conselho Regional de Odontologia em cuja jurisdição exerçam suas atividades. “Hoje, o TSB e o ASB compõem a equipe de saúde bucal e realizam atividades necessárias à prestação de cuidados no âmbito da promoção, prevenção e recuperação da saúde bucal. Atuam nas unidades e serviços de saúde públicos ou privados, conveniados ou não ao SUS, estando em expansão sua inserção em equipes de Saúde da Família”, diz Yara Yassuda, que compartilha com Angela Cecílio a coordenação dos cursos técnicos do CETAO.

Os cursos técnicos utilizam a infra-estrutura do CETAO, dispondo de laboratórios, consultórios e biblioteca. Na sua estrutura curricular, ele se apresenta em dois módulos curriculares. “O primeiro fornece a certificação de Auxiliar em Saúde Bucal, qualificando esse profissional para auxiliar o cirurgião-dentista na organização do consultório e no atendimento aos pacientes, nas ações de promoção e educação em saúde, dentre outras atribuições”, explica Yara Yassuda. O segundo módulo do Curso é uma continuidade do primeiro, capacita e certifica o Técnico em Saúde Bucal, “permitindo que este profissional possa dar apoio técnico ao cirurgião-dentista e, sob supervisão deste, realizar procedimentos na cavidade oral do paciente, de acordo com a legislação vigente”, explica Yara.

 

Informações sobre o Curso

Para saber como se inscrever nos Cursos de Auxiliar e Técnico em Saúde Bucal é preciso entrar em contato pelos telefones (11) 5051 2370/ 5051 6209, ou pelo e-mail: cetao@cetao.com.br. O conteúdo programático completo do curso está disponível no site do CETAO: http://www.cetao.com.br/areas.asp?id=93&idc=64

Fonte: Assessoria de Imprensa

 
Edições Anteriores

23/3/2011 - Doações de planos de saúde cresceram 760% em relação a 2002

15/12/2010 - Faculdade de Odontologia de Piracicaba: história e desafios

3/11/2010 - Periodontite pode afetar sistema cardiovascular, demonstra estudo

2/6/2010 - Anvisa: estratégias para segurança do paciente em hospitais e clínicas

3/3/2010 - Planos odontológicos, nem sempre a melhor opção

7/10/2009 - Publicar e compartilhar

1/7/2009 - Nanobiotecnologia a serviço da saúde

29/10/2008 - Dentifrícios: de cosméticos a agentes preventivos

30/7/2008 - O brasileiro e as doenças crônicas não-transmissíveis

5/3/2008 - Mais do que um Ortodontista

5/9/2007 - Um novo olhar da Odontologia

16/5/2007 - Neoplasias malignas tratadas no consultório

21/3/2007 - Um projeto para fazer o Brasil sorrir

13/12/2006 - As doenças do trabalho no meio odontológico

8/11/2006 - O uso de mini-implantes na Ortodontia

20/9/2006 - Hipersensibilidade dentinária

20/7/2006 - Fim das cáries?

26/4/2006 - Doação de sorrisos

8/3/2006 - Odontologia em Brasília
 
 
voltar  
 
@wwow.com.br
Copyright© 2005-2008
Todos os direitos reservados à Eyeshot

O que é isso?