Portal Open
Doutor W
 
  » Revista > Perfil    
 
 
Doação de sorrisos

 

Banco de dentes humanos facilita
os implantes dentários além de ajudar
em pesquisas acadêmicas

 

Existem hoje, no Brasil, mais de 170 cursos de odontologia. Em todos eles, é muito comum o uso de dentes humanos com a finalidade de treinamento laboratorial e pesquisa. Estima-se que sejam utilizados mais de 900 mil dentes todo ano somando todos os cursos de odontologia. Em alguns casos os professores chegam a pedir uma arcada inteira e os alunos são obrigados a levar o material pedido. Para isso, é preciso comprar os dentes pedidos pelos profes-sores ou adquirir de outra maneira, como a violação de sepulturas em cemitérios. Sem perceber, os professores de odontologia estão incentivando o comércio ilegal de órgãos.

 

De acordo com o artigo 15 do Código Civil Brasileiro, a compra ou venda de qualquer órgão, tecido ou parte do corpo humano é considerada crime e pode resultar em pagamento de multa e pena de 3 a 8 anos de prisão. Em 1997, quando foi formulada a nova Lei de Transplantes Brasileira (lei nº 9434 de 04/02/1997), os dentes passaram a ser reconhecidos como órgãos. Dessa maneira, tanto a venda como a compra de dentes passou a ser considerada ilegal, se enquadrando no mesmo artigo 15 do Código Civil Brasileiro.

 

Problema resolvido: aparecem os Bancos de Dentes.

 

Foi visando suprir essa necessidade que, em 1996, o professor José Carlos Impa-rato da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo criou o Banco de Dentes Humanos da FOUSP, uma ati-tude pioneira na América Latina. Dessa maneira, os alunos trabalhariam com dentes doados e não estariam colabo-rando com o comércio ilegal de órgãos. Os dentes do banco seriam emprestados ao aluno no início da disciplina medi-ante o preenchimento de uma ficha cadastral – para se ter controle sobre o destino dos dentes do Banco – e o aluno se comprometeria a devolver o material ao final da disciplina. No caso dos dentes utilizados para fins de pesquisa, eles são dados ao pesquisador, mas é preciso anexar uma cópia do projeto juntamente com a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). Atualmente o CEP não aprova pesquisas que utilizem dentes humanos cuja origem não seja comprovada ou legalizada. Os professores também se conscientizaram sobre o assunto e hoje pedem um número menor de dentes e, quando possível, substi-tuem os dentes humanos por artificiais. A alternativa é viável e, inclusive, já existem fabricantes nacionais para essas peças. O único problema é que os dentes artificiais ainda apresentam um custo muito elevado.

 

Como funciona?

 

O funcionamento de um banco de dentes é semelhante ao de um banco de órgãos. Os dentes devem ser doados (nunca comprados) e o doador deve autorizar por escrito a utilização desses dentes. É necessário um registro com a origem de cada dente existente no local. Todos os dentes são identificados e guardados em solução, para impedir a desidratação do órgão e evitar fraturas. A água comum e o soro fisiológico são as soluções mais utilizadas, sempre sob refrigeração, mas outras substâncias – como o formol, a cloramina, o timol e o etanol – vêm sendo pesquisadas. Os que apresentarem tártaro ou qualquer outro tipo de contaminação são raspados e esterilizados momentos antes da utilização. A esterilização é muito importante visto que, como todo órgão do corpo humano, o dente é fonte de patógenos severos para o homem. Ela é feita colocando-se o dente no formol por duas semanas, ou na autoclave, o método mais indicado atualmente para dentes que não possuem restauração metálica.

 

O banco de dentes é responsável por arrecadar, preparar, desinfetar, manipular, preservar, estocar, ce-der, emprestar e administrar todos os dentes humanos doados. Para uma maior arrecadação de dentes, uma boa opção é fazer parcerias com clínicas particulares, postos de saúde, hospitais e instituições de ensino. Outra maneira eficaz é fazer parcerias com a própria população, através de campanhas de conscientização.

 

O Banco de Dentes Humanos é uma instituição sem fins lucrativos que deve estar ligada a uma faculdade ou universidade – de preferência de Odontologia – e deve estar de acordo com as normas técnicas estabelecidas pela Vigilância Sanitária. Para evitar que o estoque de dentes fique muito baixo ou esgote, o Banco de Dentes Humanos da FOUSP usa uma política de estoque mínimo. Se o estoque de qualquer grupo de dentes chegar a 100, as doações desse grupo serão suspensas até que o estoque seja reposto em pelo menos 50%. O Banco de Dentes Humanos deve conscientizar tanto a comunidade científica como a população em geral sobre a importância da existência de um banco de dentes. É através da divulgação que o banco de dentes vai crescer e se desenvolver, aumentando o número de doações. Uma maneira de se atingir esse crescimento é através de campanhas, como a Campanha Nacional de Doação de Dentes de Leite, que a FOUSP promove desde 2003. Para atingir ainda mais o público infantil, a campanha conta com a participação de uma personagem: a fada dos dentes. A personagem surge nas clínicas de odontopediatria e incentiva as crianças a doarem seus dentes caídos ou extraídos. Além de estimular a imaginação das crianças, a fada dos dentes explica às mães ou responsáveis o que é o Banco de Dentes Humanos e o que será feito com os dentes. A criança que doar um ou mais dentes será cadastrada e irá receber uma carteirinha de sócio doador, entregue pela própria fada. As campanhas normalmente são feitas nas clínicas da USP, mas também atingem outras instituições de ensino, hospitais e associações.

 

Qualquer dente pode ser doado, seja ele hígido, restaurado ou cariado. Professores e alunos observam as anomalias mais comuns na estrutura do dente, além de estudar a localização mais freqüente das cáries, facilitando a pre-venção e o tratamento. Os dentes doados também são uti-lizados para testar o envelhecimento do material restau-rador. O dente cariado é restaurado e testado em diferen-tes temperaturas, quentes e frias, reproduzindo a cavidade bucal.

 

Além de ajudar nas pesquisas, os dentes doados também têm grande utilidade em transplantes para pessoas que perde-ram seus dentes por cáries ou traumas. A utilização desses dentes em trans-plantes vem sendo muito utilizada porque o dente natural é mais liso e desgasta igual aos outros, além de ser esteticamente melhor do que o feito de resina. O transplante de dentes naturais também sai mais barato porque o material usado (o dente natural) é de graça, e não há risco de rejeição. O máximo que pode acontecer é o dente descolar. O acervo dos bancos de dente normalmente é dividido em uma seção para dentes decíduos e outra para dentes permanentes. Dentre os dentes hígidos, o mais doado é o primeiro molar superior, e o menos doado é o central inferior, já que é o primeiro dente da criança que cai e as mães costumam guardá-lo. Os dentes mais procurados são os posteriores.

 

Um breve histórico

 

O uso de dentes naturais em próteses já existe há bastante tempo. Relatos na literatura comprovam que desde 1870 eles são usados na confecção de próteses. No Brasil, o primeiro registro que se tem da utilização de um banco de dentes no processo de transplantes é de 1981, quando um professor de Araraquara colou um dente permanente.

 

Desde 1999, o Banco de Dentes Humanos da FOUSP é responsável por fiscalizar e estimular a formação de novos bancos de dentes nos demais estados e cidades do Brasil. Para isso, em toda reunião anual da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Odontologia (SBPqO), o Banco de Dentes monta uma espécie de Consultório Científico para explicar suas atividades.

 

Um dos bancos de dentes mais recentes foi criado na Faculdade de Odontologia de Bauru – também ligada à USP. Em projeto desde 2001, o banco de órgãos da FOB começou a ser montado em agosto do ano passado e fez sua primeira campanha de arrecadamento de dentes permanentes e decíduos no dia 20 de fevereiro. A intenção é que o número de bancos de dentes cresça ainda mais, ajudando nas pesquisas odontológicas e na implantação de sorrisos. A doação de dentes caídos ou extraídos pode vir de qualquer pessoa, desde cirurgiões dentistas que tenham sua própria coleção até pessoas comuns.

 

Colabore você também


Os interessados devem procurar o Banco de Dentes Humanos da Faculdade de Odontologia da USP localizado na Avenida Professor Lineu Prestes, nº. 2.227, Cidade Universitária, São Paulo - SP, ou entrar em contato através do e-mail bdh@usp.br para saber qual o banco de dentes mais próximo.

 

 
Edições Anteriores

23/3/2011 - Doações de planos de saúde cresceram 760% em relação a 2002

15/12/2010 - Faculdade de Odontologia de Piracicaba: história e desafios

3/11/2010 - Periodontite pode afetar sistema cardiovascular, demonstra estudo

2/6/2010 - Anvisa: estratégias para segurança do paciente em hospitais e clínicas

3/3/2010 - Planos odontológicos, nem sempre a melhor opção

16/12/2009 - Curso profissionalizante na área odontológica é porta de entrada para o mercado de trabalho

7/10/2009 - Publicar e compartilhar

1/7/2009 - Nanobiotecnologia a serviço da saúde

29/10/2008 - Dentifrícios: de cosméticos a agentes preventivos

30/7/2008 - O brasileiro e as doenças crônicas não-transmissíveis

5/3/2008 - Mais do que um Ortodontista

5/9/2007 - Um novo olhar da Odontologia

16/5/2007 - Neoplasias malignas tratadas no consultório

21/3/2007 - Um projeto para fazer o Brasil sorrir

13/12/2006 - As doenças do trabalho no meio odontológico

8/11/2006 - O uso de mini-implantes na Ortodontia

20/9/2006 - Hipersensibilidade dentinária

20/7/2006 - Fim das cáries?

8/3/2006 - Odontologia em Brasília
 
 
voltar  
 
@wwow.com.br
Copyright© 2005-2008
Todos os direitos reservados à Eyeshot

O que é isso?