Portal Open
Doutor W
 
  » Revista > Odonto História    
  Untitled Document
 
A origem da má-oclusão

Para esse capítulo do Odonto História, preparamos um texto falando um pouco sobre a má-oclusão, já que há inúmeras teorias que procuram explicar sua exis-tência. Quando se fala no assunto, não se pode deixar de lado alguns nomes, entre eles está Weston A. Price.

Weston Price e sua teoria

Dr. Weston Price (1870-1948) é tido como um dos precursores da Odontologia Holística. Na década de 1930, Price deixou seu con-sultório em Cleveland, Ohio, para viajar pelo mundo procurando res-postas para algumas de suas dúvidas.

Price achava que a dieta das pes-soas estava intimamente ligada com sua saúde, inclusive com a saúde bucal. Para provar sua teoria, Price analisou de perto várias comunidades isoladas, que não mantinham contato com a sociedade moderna. O Dr. Price estudou os dentes de cerca de catorze culturas diferentes, entre tribos na África, esquimós no Alaska e aborígines.

Segundo a análise do Dr. Price, as tribos que não tinham contato com uma dieta moderna, processada, não apre-sentavam cáries e nem más-oclusões. A observação levou à conclusão de que uma das responsáveis pelos problemas dentários da atualidade é a alimentação baseada em uma dieta processada.

Weston A. Pierce publicou seu trabalho definitivo em 1939 com o título “Nutrição e Degeneração Física”. Sua conclusão foi de que quanto mais distantes as tribos fossem da civilização, melhor era a saúde das pessoas. Mas a mudança na dieta, com a adoção de alimentos processados, trouxe os problemas de apinhamento dentário e má-oclusão que conhecemos hoje. Ou seja, a aproximação dos povos aborígines com a civi-lização trouxe problemas de saúde que eles não conheciam.

Reflexos da Teoria de Price

Price conseguiu muitos discípulos ao longo de todos esses anos. Não é à toa que ele é considerado um dos pre-cursores da Odontologia Holística. Alguns de seus segui-dores, inclusive, passaram a considerar a cárie não apenas um problema da saúde bucal, mas um exemplo de desequilíbrio sistêmico.

Por outro lado, seu trabalho não apresenta o rigor teórico exigido pela literatura científica de hoje em dia. E novas pesquisas admitem que Price chegou à sua conclusão precipitadamente.

Price exaltou a saúde dentária dos povos aborígines, afirmando que foi o contato com uma alimentação moderna que trouxe problemas como cárie e má-oclusão.


Povo aborígine

O problema é que Price deixou de lado alguns pontos relevantes, como a baixa expectativa de vida e a alta taxa de mortalidade infantil. Sem contar o fato de que os aborígines possuíam um alto índice de desnutrição e pessoas mal-nutridas não costumam apresentar cáries.

O surgimento de novas doenças com o contato com as civilizações ocidentais não precisa estar necessariamente ligado a uma alimentação moderna. O contato com civi-lizações modernas também os colocou em contato com diferentes vírus e bactérias, aos quais não possuíam imunidade.

A teoria de P. R. Begg

Na década de 1950 um outro ortodontista decidiu estudar a dentição dos aborígines; foi o australiano Percy Raymond Begg (1898-1983). Seus estu-dos levaram à conclusão de que as dietas modernas im-pediam o desgaste natural dos dentes, necessários para uma oclusão satisfatória.

Ao estudar a dentição de uma tribo de aborígines australianos, Dr. Begg percebeu que aparentemente todos apresen-tavam um desgaste oclusal e proximal satisfatórios para uma boa oclusão. A conclusão foi de que um desgaste proximal na casa de meia polegada por arco não era só normal, mas sim necessário para uma boa oclusão.

Para solucionar o problema na sociedade moderna, Begg propôs uma ação agressiva: a extração de dentes, mesmo que sadios, para compensar a falta de espaço causada pela falta de desgaste proximal. Essa teoria ficou conhecida como a “Hipótese de Begg”.

Evolução de Idéias – a teoria de Corrucini

As pesquisas para tentar desvendar o porquê das más-oclusões continuaram, e R. S. Corrucini deu um passo à frente ao retornar a uma das mais antigas idéias da ortodontia: a Teoria do Desuso. A teoria de Corrucini é simples: nossas mandíbulas não crescem tudo o que deveriam crescer, a não ser que sejam bastante utilizadas na infância. É como se resume a lei do uso de desuso: se uma parte do corpo não é utilizada em todo o seu potencial, a tendência é que ela não cresça e acabe por se atrofiar ao longo das gerações.

A teoria de Corrucini pode ser resumida da seguinte maneira: a má-oclusão dental seria resultado da falta de tensão ao mastigar as comidas processadas da sociedade moderna. Esse “desuso” resultaria em um menor crescimento da mandíbula, que ficaria pequena para abrigar todos os dentes corretamente e causaria as más-oclusões.


Conseqüência da vida moderna?

Para constatar sua teoria, Corrucini realizou experimentos em animais como macacos e ratos. O resultado mostrou uma mudança significativa na posição dos dentes, algo semelhante à má-oclusão dos seres humanos – isso depois dos animais passarem por uma dieta de alimentos macios, que não exigiam tanto da mastigação.

A teoria de Corrucini deixa uma pergunta no ar: qual seria a melhor alimentação para nossos filhos? Devemos alimentá-los com carne e outros alimentos duros ao invés de alimentos mais macios e fáceis de mastigar? É algo para se pensar.

 
Outras Edições

12/1/2011 - Estudos com dentes de múmia abrem frente para arqueologia e ciência forense

12/5/2010 - Computação móvel auxilia serviços de saúde

18/2/2010 - Obama, os falcões e o SUS

2/4/2008 - O dente adequado para cada um

6/6/2007 - A linha do tempo da estética

14/3/2007 - Um pouco mais sobre evolução

4/1/2007 - A história evolutiva dos dentes

18/10/2006 - Um pouco sobre heterodontia

6/9/2006 - Teorias da erupção dentária: o caminho da ciência até os dias de hoje

31/5/2006 - Odonto História - Parte III

5/4/2006 - Odontologia no Brasil - Parte II

8/3/2006 - Odontologia no Brasil - Parte I
 
 
voltar  
 
@wwow.com.br
Copyright© 2005-2008
Todos os direitos reservados à Eyeshot

O que é isso?